Um cemitério italiano pode ser a chave para a evolução da cólera

Um cemitério italiano pode ser a chave para a evolução da cólera



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por mais de 1.000 anos, o que hoje é a área próxima à abadia de Badía Pozzeveri, no coração da Toscana italiana, foi usado como cemitério local e por muitas gerações este cemitério hospedou muitas pessoas que morreram de epidemias de peste.

Hoje em dia, esta necrópole não é mais um lugar onde reina o esquecimento, mas é um grande tesouro para os pesquisadores, porque graças aos restos que ali estão. queremos realizar um estudo aprofundado para descobrir como tem sido a saúde da Europa e assim encontrar respostas para algumas doenças que hoje continuam matando milhares de pessoas.

Clark Larsen, professor de Antropologia da Ohio University, um dos coordenadores das escavações, afirmou que existem vestígios com excelente nível de conservação, algo que Tem permitido realizar análises em diferentes doenças, como tuberculose, osteoartrite, infecções orais e ósseas e um dos mais obcecados por Larsen, o estudo da cólera.

Esta doença devastou a Europa em meados do século 19 e causou milhares de mortes, especialmente na Toscana. As pessoas que moravam perto de Badia Pozzeveri enterraram seus falecidos e os cobriram com cal virgem com o intuito de conter o surto, o que tornou os corpos preservados em excelente qualidade. Larsen afirmou que: “Pelo que sabemos, esses são alguns dos restos mais bem preservados de vítimas de cólera desse período.”.

Durante os quatro anos em que escavou toda a área e após ter recuperado cerca de 30 esqueletos, diferentes traços genéticos de vários microrganismos foram encontrados que estão associados a doenças, algo que leva a equipe a ser otimista e a confiar que o DNA de VIbrio Choleroe, o patógeno causando cólera.

Larsen disse que se ele encontrou esta marca genética, seria muito útil saber como a bactéria evoluiu. Segundo estimativas da OMS, Organização Mundial da Saúde, a cada ano ocorrem entre 3 e 5 milhões de casos de cólera, onde morrem entre 100.000 e 120.000 dos afetados.

Além da cólera, há mais doenças que interessam aos pesquisadores, como a peste negra, que exterminou dezenas de milhares de pessoas entre 1346 e 1353 na Europa. Se continuarmos a aprofundar essas investigações, sem dúvida haverá muitas informações sobre essas doenças, principalmente a cólera, e quem sabe ... talvez se encontre uma forma de neutralizá-la.

Depois de estudar História na Universidade e depois de muitos testes anteriores, nasceu Red Historia, um projeto que surgiu como meio de divulgação onde você pode encontrar as notícias mais importantes sobre arqueologia, história e humanidades, bem como artigos de interesse, curiosidades e muito mais. Em suma, um ponto de encontro para todos onde possam compartilhar informações e continuar aprendendo.


Vídeo: O RISCO DE CÓLERA